"Luís Filipe Vieira é como se fosse um pai"

"Luís Filipe Vieira é como se fosse um pai"

O médio renovou contrato com o Benfica até 2023

Andreas Samaris renovou contrato com o Benfica até 2023 e mostrou-se rendido ao apoio dos adeptos, que nas redes sociais muito lhe pediram para continuar na Luz. O médio grego recordou a chegada ao Benfica e elogiou Luís Filipe Vieira.

Primeiras palavras após a renovação: "As primeiras palavras são de orgulho e felicidade por ter renovado. Vou ficar mais quatro anos em casa e mais que tudo, sinto orgulho pelo meu trabalho e tenho muita vontade continuar a fazer o mesmo. Estas são as minhas cores e a minha casa. É um sentimento que me vem em todos os jogos e treinos, é a felicidade de pegar no carro e vir treinar. Graças a Deus nunca perdi o meu sorriso de estar aqui, isso não tem preço. Foi minha vontade ficar no Benfica tal como a vontade das pessoas da Direção, queríamos prolongar. Era questão de tempo. Hoje é um dia com muitas pessoas felizes."

Apoio dos adeptos adeptos que pediram a renovação nas redes sociais : "Isso é algo que ganhas quando o teu comportamento é verdadeiro e as pessoas sentem isso. Fico mais quatro anos, quero ganhar mais títulos e continuar a fazer as pessoas felizes. Estava a ver quase todos os dias as mensagens dos adeptos nas redes sociais, essas mensagens chegam aos olhos e ouvidos. Nunca me aconteceu na minha vida. Vem da minha alma do meu coração, tudo o que sai em campo é a minha verdade, mostro os meus sentimentos dentro de campo e os adeptos dão-me força para ultrapassar tudo o que pode acontecer."

Recordação da chegada a Lisboa: "22 agosto 2014, dia em que assinei pelo Benfica, nem imaginava o que iria acontecer até hoje. Repito, tenho muito orgulho. Vim de um país [Grécia] onde também jogava na maior equipa para a maior de Portugal e voltei a fazer o que fazia lá, ganhar os títulos todos. Estou muito grato por estar aqui e pela vida me ter trazido até aqui, poder ganhar três campeonatos."

Relação com Luís Filipe Vieira: "Temos uma relação diferente, não de presidente e de jogador. O presidente ajuda, ele está sempre no Seixal ao pé de nós, é como se fosse o nosso pai, faz-nos tentar todos sentir confortáveis e orgulhosos por estarmos aqui.
Os dois tínhamos vontade de assinar contrato. Foi claramente fácil e hoje é o dia porque tinha de ser, estamos todos felizes."

Como está a ser esta semana? "Começou como as outras porque as outras começaram como se fosse a última. Esta é mesmo a última final e não mudámos nada em termos desportivos. A vontade de todos é entrar em campo e dar tudo."