Braga critica Liga e revela preferência pela diplomacia da FPF

Braga critica Liga e revela preferência pela diplomacia da FPF
Redação

Tópicos

Questões relacionadas com o regresso dos adeptos aos estádios levam emblema liderado por António Salvador a dar nova "bicada" no organismo presidido por Pedro Proença

O Sporting de Braga, através da sua newsletter "Voz da Legião", criticou esta terça-feira a atuação da Liga na problemática questão do regresso dos adeptos aos estádios de futebol.

E vai ao ponto de afirmar que "se a Liga Portugal perceber que já não tem mais caminhos para explorar no que às restrições de público diz respeito (especialmente na essencial relação com a DGS), então que deixe para a Federação Portuguesa de Futebol a responsabilidade da resolução de todas estas pendências que tanto têm afetado o futebol em particular e o desporto em geral".

Na nota, o Braga afirma que não pode "deixar passar em claro a marginalização de que têm sido alvo os adeptos de futebol em Portugal".

"Não nos parece correto entrar pelo caminho das comparações com todos aqueles que, nos últimos meses - e de forma bem-sucedida -, têm sido capazes de organizar eventos com a presença de público. Mas gostaríamos de acreditar que também a Liga Portugal vai revelar, em breve, um conjunto de medidas que vão ao encontro das pretensões de todos os clubes: queremos adeptos nos estádios; acreditamos na capacidade de organização do futebol; temos a certeza de que, tal como na Alemanha, França, Holanda, Itália (entre tantos outros), também em Portugal é possível responder afirmativamente a este contexto pandémico. No fundo, exigimos menos discussões mediáticas e mais decisões efetivas", revela o documento digital na página oficial dos minhotos.

Que assim prossegue: "A possibilidade da existência de adeptos no Santa Clara-Gil Vicente deste fim de semana (ao abrigo da autonomia que é dada à Autoridade de Saúde Regional dos Açores) pode ser encorajadora para o futuro. No entanto, se a Liga Portugal perceber que já não tem mais caminhos para explorar no que às restrições de público diz respeito (especialmente na essencial relação com a DGS), então que deixe para a Federação Portuguesa de Futebol a responsabilidade da resolução de todas estas pendências que tanto têm afetado o futebol em particular e o desporto em geral".

E deixa uma última crítica: "Até porque, tal como já foi comprovado em situações similares, o cariz mais diplomático da FPF poderá revelar-se fundamental para abrir os cadeados que foram colocados nos portões de praticamente todos os estádios de futebol em Portugal".