Francisco J. Marques: "A primeira volta é uma prova de fundo, a segunda é um sprint"

Francisco J. Marques: "A primeira volta é uma prova de fundo, a segunda é um sprint"

Diretor de comunicação e informação do FC Porto compara o calendário da I Liga com os dos principais campeonatos europeus e fala em "singularidades difíceis de entender".

Francisco J. Marques juntou esta terça-feira o FC Porto à questão da calendarização do futebol português, depois de o Benfica ter pedido a revisão da mesma e de o Braga ter referido que já havia abordado a questão "há largos meses".

O diretor de comunicação e informação dos dragões vê "pouco equilíbrio" entre o calendário da primeira e segunda voltas da competição, apresentando dados de campeonatos como o inglês, alemão, italiano ou espanhol.

"Há algumas singularidades difíceis de entender. O campeonato nacional é uma prova de regularidade. Jogam todos contra todos, e depois há equilíbrio na competição, que deve haver na forma como é disputada. Uma das formas de aferir é a duração da primeira e segunda voltas. Em Portugal não existe esse equilíbrio. A primeira volta é uma espécie de prova de fundo e a segunda é um sprint. Não tem paralelo noutros campeonatos. A primeira volta começa em agosto e termina a 18 de janeiro, dura 162 dias e a segunda dura 112 dias. A discrepância em Espanha é de 142 dias para 126, em Inglaterra de dois dias, onde a segunda volta até dura mais, na Alemanha 8 dias, em França 12 dias e em Itália 4 dias", assinala J. Marques, que dá o exemplo da Holanda e sublinha a necessidade de proteção das equipas que disputam provas europeias:

"Quando as competições voltarem, regressa com a Taça, e depois há provas europeias. O FC Porto joga na quinta-feira com o Rangers, depois domingo com Famalicão, quarta-feira vai à Madeira e depois no domingo joga com o Aves. Estamos uma data de tempo sem jogar campeonato e depois jogamos muitas jornadas seguidas. O campeonato nacional, a prova mais importante, então é jogado a meio da semana para pôr a Taça da Liga ao fim de semana? Porque é que estendemos tanto a primeira volta para termos a segunda volta de sprint? É preciso encontrar prontos de equilíbrio para proteger as equipas portuguesas na Europa. Temos o caso da Holanda, perante a surpreendente carreira do Ajax na Liga dos Campeões. nessa altura, a Federação Holandesa decidiu adiar jogos. Adiou esses jogos para que o Ajax tivesse mais descanso", recordou o dirigente portista, falando do caso português e apontado ao caso francês, que colocou um ponto final na Taça da Liga.

"Em Portugal não há essa preocupação. Se calhar precisam de diminuir um bocadinho a importância dada à Taça da Liga. Não faz sentido ter estes intervalos e depois concentração de jogos, com Taça da Liga ao fim de semana. França acabou com a Taça da Liga, não só pelo calendário, mas também pela rentabilidade da prova, ninguém estava disposto a pagar pela competição o que era pedido", remata Francisco J. Marques.