"Não sei o que falta, mas ouvir gaivotas num jogo não é bom..."

"Não sei o que falta, mas ouvir gaivotas num jogo não é bom..."
João Maia | Joana Carvalho (Edição de Vídeo)

Tópicos

ENTREVISTA, PARTE III - O regresso do público aos estádios é "urgente", na opinião de Beto, a bem "da saúde" dos clubes

Ter trocado a liga turca pela II liga portuguesa, depois de em 2017 ter saído do Sporting e após ter ganho três Ligas Europa no Sevilha e quase todos os troféus internos no FC Porto não fez de Beto uma contratação "nem mais nem menos sonante". Reconhece, porém, que esta mudança poderia ser "impensável" na cabeça de "muita gente". O guarda-redes juntou-se ao regresso de outros consagrados como Quaresma (V. Guimarães) ou Gaitán (Braga) e espera que mais clubes possam continuar com esta política.

Vê-se como um dos reforços mais sonantes deste defeso, em Portugal?

-Não me considero nem mais nem menos sonante. Obviamente que, se calhar, seria impensável para muita gente, mas lá está tenho as minhas razões que já as disse. Felizmente, tenho um palmarés recheado, mas isso só vem reforçar o que já disse anteriormente: é possível que os jogadores portugueses joguem em Portugal e temos de o fazer, desfrutar e dar qualidade aos campeonatos do nosso país.

Este é o ano do regresso de consagrados a Portugal?

-Pode ser o ano do início dos regressos. Que seja o ano do início dos regressos.

O que falta conseguir na sua carreira?

-Todos os jogadores devem definir metas individuais e coletivas em cada época. Tenho as minhas bem definidas e falta-me conseguir a plenitude da minha felicidade e penso que posso encontrar a plenitude da felicidade no Leixões.

Num estádio como o do Leixões vê condições para o público voltar ao futebol, com as devidas regras de distanciamento?

-Não sei o que é que está a faltar. Se faz falta? Faz, é imprescindível e urgente, não só para a saúde dos clubes, mas também para a saúde do futebol. O que falta? Não sei, mas é bom que se resolva rapidamente. Ouvir gaivotas num jogo não é bom nem é o mesmo que ouvir adeptos.