Aos 31 anos, Marcão vai pela primeira vez permanecer no mesmo clube

Aos 31 anos, Marcão vai pela primeira vez permanecer no mesmo clube

Além do Paredes e outros emblemas de Portugal como o Feirense, Beira-Mar, Águeda e Lusitano, Marcão soma no currículo passagens pela Bulgária, Polónia, Irão e Emirados Árabes Unidos

Marcão foi o primeiro jogador do Paredes a renovar contrato para a próxima época. O médio-defensivo, que chegou ao clube portuense em setembro, já com o campeonato em andamento, vai pela primeira vez permanecer no mesmo emblema duas temporadas seguidas e, embora tivesse em mãos outras propostas do Campeonato de Portugal e do estrangeiro, acredita que continuar poderá trazer vantagens quando se retomar a competição.

"Tinha propostas de outros clubes, mas analisando bem, chegámos à conclusão que o Paredes era a melhor opção. O clube recebeu-me bem, na hora que mais precisei, gostei do ambiente, dos diretores e das suas ideias. O objetivo agora é fazer um campeonato tranquilo e quando me falaram da renovação, nem pensei duas vezes em assinar", revelou o jogador, de 31 anos, que ainda participou em 15 jogos, apesar de ter ingressado no Paredes, com o campeonato em curso.

"Quando cheguei não fiz a pré-época, peguei o comboio em andamento. Este ano, quero ajudar ainda mais a equipa, participar em mais jogos. Continuar dá-me mais vantagens porque já conheço o clube e estar sempre a mudar não é bom. Acho que temos de ficar onde estamos felizes. Neste segundo ano, com uma melhor adaptação, as coisas vão correr melhor", contou o brasileiro.

Além do Paredes e outros emblemas de Portugal como o Feirense, Beira-Mar, Águeda e Lusitano, Marcão soma no currículo passagens pela Bulgária, Polónia, Irão e Emirados Árabes Unidos e lembrou que o momento mais alto da carreira, foi quando esteve perto de assinar pelo CSKA Sofia. "Quando estive na Bulgária, no Akademik Sofia, o CSKA queria contratar-me, mas por algumas situações, as coisas não deram certo...", admitiu, apontando os seus pontos fortes em campo. "Sou um médio-defensivo forte na marcação, recupero bem a bola, procuro posicionar-me sempre bem e passar confiança aos jogadores que jogam à minha frente. Ainda tenho muito para melhorar", confessou, dando a entender que não se sente "velho". "Aos 31 anos, ainda me sinto muito bem, nunca tive lesões graves e até onde Deus me der saúde, vou continuar a correr".