Pecks quer ganhar ao amigo Paulinho: "O duelo vai ser bom, se eu jogar"

Pecks quer ganhar ao amigo Paulinho: "O duelo vai ser bom, se eu jogar"
Manuel Casaca

Tópicos

Pecks, antigo defesa-central do Gil Vicente, é a cara mais conhecida do plantel leceiro. O jogo com o Braga está marcado para sábado, às 20h45, e a equipa treinada por Domingos Barros prepara a partida com todo o cuidado para tentar uma surpresa na Taça de Portugal

O dia era de Vítor Baía, o ilustre leceiro que ontem completou 50 anos, mas por estes dias o Leça Futebol Clube vive momentos de enorme agitação por causa da visita do Braga. O jogo está marcado para sábado, às 20h45, e a equipa treinada por Domingos Barros prepara a partida com todo o cuidado para tentar uma surpresa.

Pecks, antigo defesa-central do Gil Vicente, é a cara mais conhecida do plantel leceiro. Jogador experiente, de 30 anos, reconhece que o encontro de sábado é especial. "Já tinha saudades destes grandes jogos e de defrontar grandes jogadores como estes do Braga", admitiu a O JOGO o internacional cabo-verdiano, que tenta dar novamente nas vistas para regressar à seleção comandada por Rui Águas.

Na lista de "grandes jogadores" bracarenses está Paulinho, o avançado do Braga com quem Pecks jogou durante três anos no Gil Vicente. Os dois jogaram juntos de 2013 a 2016 e agora, cerca de três anos depois, reencontram-se em Leça da Palmeira, mas na condição de adversários. "O duelo com o Paulinho vai ser bom, se eu jogar", admite o central, deixando algumas reservas quanto à titularidade para não ficar a sensação de se sobrepor ao treinador. Certo é que tem jogado com regularidade e já leva nove jogos nesta temporada. Mas independentemente da decisão do técnico, o que não muda é a opinião sobre o amigo que deixou no Gil Vicente e a quem já perspetivava uma carreira de sucesso. "Não fiquei surpreendido com a evolução do Paulinho, porque eu trabalhava com ele todos os dias e sabia a qualidade que tinha", elogiou o defesa, lembrando também que na equipa gilista foi ainda companheiro de outro arsenalista, o lateral-direito Diogo Viana. "Vai ser bom reencontrá-los", admite.

E no final, com quem vai trocar a camisola? Pecks riu-se e lembrou a realidade de um clube que não pode dar-se a certos luxos. "Não sei se posso trocar a camisola, porque só tenho uma", gracejou.

Garantido é que a equipa vai fazer tudo para ser um tomba-gigantes. "Acreditamos que pode haver uma surpresa na Taça de Portugal e estamos a trabalhar para isso", avisa o defesa.