Luís Mendonça assina pela Efapel

Luís Mendonça assina pela Efapel
Frederico Bártolo

Tópicos

O JOGO sabe que o polivalente e ganhador ciclista vai reforçar um bloco cada vez mais forte para desafiar a W52-FC Porto. Corredor de 33 anos confirmou a saída do Boavista, mas não admitiu o projeto para 2020. Ainda assim, afirma ao nosso jornal a satisfação por se ir vincular por dois anos, uma estreia na carreira

Luís Mendonça, sabe O JOGO, vai ser reforço da Efapel para 2020. O ciclista de 33 anos deixa a RP-Boavista, onde esteve um ano, para abraçar o bloco da Efapel que, depois de renovar com Jóni Brandão até 2021, garante um corredor completo, capaz de ganhar provas com alguma dureza por sprintar como poucos depois da média montanha. A equipa de Ovar, que pretende terminar com a hegemonia da W52-FC Porto, ficará ainda mais poderosa.

O JOGO contactou Mendonça, que confirmou a saída, mas só deixou pistas quanto ao futuro. "Vou para uma estrutura forte e que me dará tranquilidade, por ser um projeto forte e ter um vínculo de dois anos", explicou. Na Efapel há Jóni Brandão e, como o diretor desportivo Rúben Pereira salientou a O JOGO no início da semana, será esse líder para a Volta. "Ao subir para uma equipa com um outro projeto, sei que não irei ser líder na Volta. Continuo focado nas etapas e acredito que vou ter sucesso", admitiu Mendonça.

Esta será a primeira vez que o vencedor do Troféu O JOGO terá um contrato de dois anos, daí a referência à estabilidade. Afastado alguns meses da competição, enquanto se analisava o uso de betametasona para curar um joelho, Mendonça deixa agradecimentos ao Boavista: "Acreditaram em mim e levo-os no coração, porque não me largaram no momento mais difícil. Tive uma proposta irrecusável."

Do Bessa também sai João Benta, mas o trepador ainda analisa várias propostas: "Falei com a Miranda-Mortágua, mas nada está fechado. Estou em negociações."


Amaro espera debelar lesão antes da Lombardia


Amaro Antunes (CCC) está a ter um ano terrível em termos de lesões. Na segunda etapa da Volta à Croácia, o algarvio caiu com violência e ontem não alinhou por recomendação médica, isto depois de detetada uma inflamação perto do joelho, mais concretamente no tendão pata de ganso. "Parece que estou a ser perseguido pelo azar. Tenho a Milano Torino e a Lombardia e vou dar tudo para estar lá", disse a O JOGO, sabendo que mostrar-se a bom nível em Itália poderá ajudar a ter propostas para 2020.