"A tendência é o Benfica ficar tapado com cinco faltas desde muito cedo"

"A tendência é o Benfica ficar tapado com cinco faltas desde muito cedo"

Treinador do Benfica deu voz à satisfação após o triunfo sobre o rival Sporting.

Análise do jogo: "Foi um jogo muito difícil e equilibrado. O Benfica foi uma equipa que fez da sua superação e da sua organização a base da sua vitória. Uma das chaves da vitória esteve na reação ao golo sofrido, que não nos desviou da abordagem ao jogo. A forma como reagimos de 0-1 para 4-1... É muito bom quando conseguimos transportar para a quadra muitos dos valores que queremos para o Benfica, numa vitória justa, no meu entender".

Lucidez do Benfica: "Temos disputadas quatro jornadas e a única em que não conseguimos aplicar a abordagem do ponto de vista estratégico foi a primeira, e não tem que ver com o empate [3-3 com o Elétrico]. O golo sofrido em casa podia ter-nos retirado a lucidez de continuar fiéis ao que preparámos para o jogo com o Sporting, que passava, do ponto de vista ofensivo, por combinações a dois muito simples, porque é aí que conseguimos criar danos a uma equipa que defende como o Sporting".

Benfica mais forte: "Parece-me que o Benfica foi também mais forte no momento de subir o seu guarda-redes e, se o Sporting não conseguiu mais, foi porque batemos os pés. No 4-3, sem tirar o mérito ao golo do Erick, o jogo devia ter acabado 5-3, com aquele remate do Fernandinho à barra".

Tendência: "A tendência dos últimos dérbis é o Benfica ficar tapado com cinco faltas muito cedo. Foi um desafio superado com excelência: estar uma parte inteira tapados por faltas com uma equipa que tem desequilibradores de uma ponta à outra no campo e no banco. Houve total mérito da equipa. Parece-me que também não fizemos dez faltas, mas o que importa é que jogámos o jogo de acordo com as suas circunstâncias."