Premium Estava mais tranquilo com caso dos vouchers antes da intervenção de Luís Bernardo

Estava mais tranquilo com caso dos vouchers antes da intervenção de Luís Bernardo

Chamam-lhe spinning

Confesso: estava mais tranquilo com o chamado caso dos vouchers antes da intervenção de Luís Bernardo do que depois dela. Até ontem, mantive-me convencido de que tudo se resumia a manifestações do velho laxismo português, com que frases como "Pode acontecer que alguém tenha abusado", "Não tenho condições para confirmar essa questão dos 600 euros" ou "[O Benfica] Oferecia às claras e de forma transparente", de resto, me pareciam consistentes.

Mas, depois, o diretor de comunicação encarnado decidiu esticar a corda aos argumentos: "Como se corrompe alguém depois de um jogo que se perdeu?" E, de repente, eu quero ver mais bem esclarecida a questão.