Premium Rosa Mota: tanto "naming" havia de dar no quê?

Rosa Mota: tanto "naming" havia de dar no quê?

FORA DA CAIXA - Fosse só a Câmara da Invicta: infelizmente, são cada vez mais instituições, públicas como privadas, ardendo de desejo de transacionar namings.

Mais dia menos dia, tínhamos de chegar aqui: a um conflito entre uma lenda nacional e uma instituição resultante da diligência desta para vender a uma marca aquilo que já tinha oferecido àquela. Acaba de acontecer com Rosa Mota e, independentemente das necessidades de tesouraria e/ou dos interesses estratégicos da CM Porto, é uma falta de respeito para com a ex-atleta em particular e para com a memória coletiva em geral.

Fosse só a Câmara da Invicta: infelizmente, são cada vez mais instituições, públicas como privadas, ardendo de desejo de transacionar namings. E, uma vez que esta controvérsia acabará por ter como único efeito aumentar ainda mais os interessados - em comprar espaço publicitário nobre, mas sobretudo em vendê-lo -, gostava de deixar aqui sugestões de outros negócios em que, tanto quanto sei, ainda ninguém pensou.