Premium Varandas não pode recuar perante cobardes que agridem miúdas

Varandas não pode recuar perante cobardes que agridem miúdas
Jorge Maia

Tópicos

JOGO FINAL - Um artigo de opinião de Jorge Maia.

1 A vitória sofrida do Sporting sobre o Portimonense, que permitiu aos leões aproveitar os deslizes de Braga e Famalicão para regressar ao pódio, acaba por ser remetida para segundo plano pela manifestação de alguns milhares de sportinguistas que exigiram a demissão de Frederico Varandas e, sobretudo, pelas lamentáveis agressões a dois elementos da Direção dos leões e, pior ainda, à filha de um deles no interior do Estádio de Alvalade. Frederico Varandas terá cometido vários erros de gestão desportiva e falhou claramente no objetivo de unir o Sporting, mas é impossível para qualquer pessoa de bem não o acompanhar quando diz que não vai ceder aos cobardes que são capazes de semelhante canalhice.

2 Se não teve outras virtudes redentoras a arbitragem de Artur Soares Dias no clássico do Dragão teve, pelo menos, o mérito de ser equilibrada: afinal, tanto o FC Porto como o Benfica garantem ter razões de queixa. É verdade que os encarnados são mais agressivos, mas é sempre mais difícil lidar com o dia seguinte quando se perde, especialmente frente a um rival direto e sobretudo num jogo que vale mais do que três pontos. Mas se o Benfica queria ver Pepe expulso por eventual agressão a Taarabt, o FC Porto acha que o marroquino já nem deveria estar em campo na altura e por aí fora. Nada de muito original nesta espécie de conta-corrente em que os clubes só atualizam a coluna do prejuízo. Mais radical é o pedido dos encarnados para que os restantes jogos dos dois clubes sejam apitados por árbitros estrangeiros internacionais, naquilo que só pode ser entendido como um ataque à capacidade, honestidade e isenção de todos os árbitros portugueses, sem exceção. Que nem o CA nem a APAF tenham nada a dizer sobre isto é estranho.