Jesus, um jogador do Bayern em destaque e uma certeza sobre as derrotas: "Quando perdes..."

Jesus, um jogador do Bayern em destaque e uma certeza sobre as derrotas: "Quando perdes..."

Declarações do treinador do Benfica após a goleada com o Bayern, 0-4, no Estádio da Luz, em jogo da terceira jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões.

Análise: "O Benfica, durante 70 e poucos minutos, disputou sempre o resultado contra esta grande equipa. No nosso melhor período, em que o Bayern não estava tão forte, estivemos mais próximos de fazer o 1-0, recordo a oportunidades do Yaremchuk e do Diogo [Gonçalves]. Depois, sofremos o primeiro golo, numa bola parada. A partir desse golo, e com a entrada do Gnabry, tudo se modificou. Faltando 15 minutos, [o Gnabry] entrou fresquinho, é um jogador com muita velocidade e o Grimaldo teve alguma dificuldade em conseguir pará-lo. Apercebi-me disso e meti o Everton, para o ajudar naquele lado. Foi no lado esquerdo que tivemos dificuldade em parar o jogo. Tenho de dar mérito ao Gnabry, é muito forte no um contra um."

Elogios aos jogadores: "Tenho de dar os parabéns à equipa do Benfica. É verdade que perder por 4-0 não é nenhuma satisfação, não podemos sair daqui felizes, mas, pelo que foi o jogo, o Benfica não merecia. O "keeper" [guarda-redes] do Bayern tirou-nos dois golos com duas defesas da categoria dele, que é um dos melhores guarda-redes do mundo."

Goleada: "Nem antes do jogo pensava que sofria quatro golos, muito menos com o jogo a decorrer. Nada justificava que íamos sofrer quatro golos. A partir do primeiro golo, os golos começaram a tornar-se mais fáceis. O Bayern, como equipa poderosa que é, conseguiu concretizar as oportunidades que teve."

Benfica mais perto de sofrer o 5-0 do que marcar 4-1? "Quando estamos a perder 3-0 ou 4-0, pensamos que estamos mais perto de levar o quinto do que do 4-1. Os golos deixam-nos psicologicamente mais fragilizados e o adversário fica mais forte, começa a gerir o jogo com outra facilidade. Não quis mexer muito atrás porque achava que na frente é que tínhamos de fazer pressão. O Darwin, o Rafa e o Yaremchuk, na minha opinião, fizeram um grande jogo."

Uma certeza e o que fica de um jogo como este: "Quando perdes, nada é positivo. Ficam algumas coisas que fazem com que olhemos para o jogo e pensamos que temos de melhorar. Saí com a sensação de que poderíamos discutir o jogo com melhor resultado. Os jogadores sabem que fizeram 70 minutos muito bons contra uma das melhores equipas da Europa. Ninguém fica feliz, mas há coisas que também ficam boas para falarmos. O andamento do Bayern é muito alto, para além da qualidade técnica e tática."