Jorge Jesus: "Se me perguntassem se pensava ser goleado pelo Bayern..."

Jorge Jesus: "Se me perguntassem se pensava ser goleado pelo Bayern..."

Declarações do treinador do Benfica após a goleada com o Bayern, 0-4, no Estádio da Luz, em jogo da terceira jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões.

Goleada: "Claro que "elas" magoam. O Benfica não levou 0-4 e não foi [só] uma vez à baliza do Bayern. O Benfica criou oportunidades de golo, com grandes defesas do guarda-redes do Bayern. Agora, se me perguntassem se estava preparado ou se pensava ser goleado, nem pensar. Pensei que podia ser no máximo dois golos, com o Benfica também a marcar, nunca pensei sofrer quatro. Mas tenho de dar mérito ao Bayern, os jogadores que entraram conseguiram mexer com o jogo com um nível muito alto."

Quando o Benfica se perdeu no jogo? "A partir do golo de bola parada e com a entrada de Gnabry, com essa entrada eles conseguiram entrar pelo nosso lado esquerdo e por isso é que mudei logo e meti logo o Everton, para poder ajudar o Grimaldo. Sabia que o Grimaldo ia ter algumas dificuldades, porque era um jogador fresco contra um jogador já com 70 minutos de jogo. Foi por aí que eles fizeram os golos e entraram. O Benfica esteve sempre inteiro no jogo. O Neuer faz duas defesas de golo, faz a diferença. É um resultado pesado para o que aconteceu no jogo, o Benfica poderia sair com golos marcados, mas o resultado deveria ser outro. Pelo que jogou grande parte do jogo, o Benfica não merecia ter sofrido quatro golos em tão pouco tempo. Também é verdade que os jogadores frescos do Bayern mexeram com o jogo."

Benfica sofre quando se preparava para mexer na equipa: "Comecei a notar que os três avançados do Benfica já estavam esgotados fisicamente, era preciso meter jogadores que pudessem defender e sair [a jogar], curiosamente sofremos golos na melhor altura do Benfica, o Bayern já não nos pressionava, tínhamos mais bola, começámos a criar situações de finalização... Sofremos de livre e partir do golo do livre perdemo-nos completamente em termos posicionais. Mas fundamentalmente pela qualidade do Gnabry."