Jesualdo aborda jogo com o Braga e o mercado: "Não estou a pensar em nada"

Jesualdo aborda jogo com o Braga e o mercado: "Não estou a pensar em nada"
Cristina Aguiar

Tópicos

Declarações do treinador do Boavista na antevisão ao encontro com os minhotos.

Braga: "É o quarto classificado, tem sete vitórias no campeonato e três derrotas, está na Taça, passou aos dezasseis avos da Liga Europa. É uma equipa e um clube que tem vindo ao longo dos anos, particularmente neste momento, tem vindo se afirmar a sua trajetória nos últimos tempos. Tem plantel muito forte, equilibrado, tem um treinador que conhece muito bem não só a casa, mas os próprios jogadores. É bom dizer que há jogadores no Braga que jogam juntos há algum tempo, isso é muito importante também. Está a poucos pontos do primeiro, é evidente que tem ambições de vir aqui e fazer o que tem feito noutros jogos, que é ganhar. Mas, por acaso, vai haver uma situação muito próxima que é a que o Boavista também quer - ganhar. Não está muito confortável só com uma vitória em dez jogos, por isso (e espero que sim) será para nós uma possibilidade de avaliarmos o momento (não vamos falar de futuro), e encontrar as formas, primeiro a observação de análise, depois o que podemos continuar a fazer - e já fizemos algumas coisas - e quais as inflexões que temos de ter. Nesta casa, cada jogo é para ganhar e não é para estar lá a ver."

Maiores exigências: "O Braga tem uma estrutura tática que basicamente conhecemos, joga noutro sistema tático e os processos que utiliza foram, de alguma forma, também conhecidos. Nenhuma equipa do mundo consegue esconder nada agora. Os problemas que nos colocará serão diferentes do Paços de Ferreira. O que me interessa é a identidade da minha equipa, encontrar o nosso caminho, nosso rumo sem nos preocuparmos muito com o adversário, por isso disse que este jogo é importante para avaliar o estado em que estamos. Este Braga vai-nos colocar problemas que, para mim, são fundamentais para avaliar a condição e alguns temas que são fundamentais para o futuro próximo."

Identidade: "Não posso fugir da minha identidade. As minhas equipas são aquelas que preparo para competir a um nível elevado e que se identificam comigo, ou seja, olhar o jogo de frente, perceber o que o adversário nos pode colocar e arranjar soluções para os resolver. Ser uma equipa muito rápida no momento da perda, esta equipa ainda não é capaz, mas vai sê-lo, ser capaz de reduzir o tempo de transição, e as que são capazes disso estão mais próximas do sucesso. Tenho sentido dos jogadores que querem essa identidade."

Defesa: "Nenhuma equipa ataca bem se não tiver capacidade para defender bem. Temos de ter uma equipa equilibrada e há também a questão das bolas paradas e há, neste momento, um grande volume no futebol. Quanto mais equilibrada menos possibilidade tem de sofrer golos, mais possibilidade de recuperar bola e marcar golos. O Boavista esteve duas/três vezes a ganhar com alguma distância e no próprio jogo com o Paços de Ferreira aconteceu, depois de estar a ganhar 1-0, não podíamos ter sofrido aquele golo e não podemos passar por uma situação de perda de controlo."

Mercado: "Não estou a pensar em nada. Não venho falar de situações internas. Temos de saber qual é a filosofia que o clube quer para a segunda volta. O Boavista está fora da Taça de Portugal e da Liga e está apenas numa competição, o que eu acho que é pouco para podermos competir mais. Às vezes não resolve os problemas. Para nós a ideia é potencializar os jogadores."