Jesualdo: "Não gostei desta arbitragem, mas não sou pessoa de arranjar polémicas"

Jesualdo: "Não gostei desta arbitragem, mas não sou pessoa de arranjar polémicas"

Jesualdo Ferreira (treinador do Boavista) falou aos jornalistas depois do empate caseiro com o Santa Clara (1-1), na 13ª jornada da I Liga

Sobre o jogo: "O Boavista fez uma primeira parte muito boa até aos 35 minutos. Com aquela paragem saída de uma falta inexistente, houve alguns sobressaltos e não fomos capazes de evitar um golo evitável. Durante esse tempo, o Boavista deu ideia daquilo que poderá fazer no futuro, com muito mais solidez, consistência e, acima de tudo, eficácia. O adversário fez o jogo que tinha de fazer, com os seus momentos e paragens, e ficámos a dever a nós próprios esta vitória."

A arbitragem: "Quem jogou como jogámos nos primeiros 35 minutos e quem teve trechos bastante bons na segunda parte, mas não foi capaz de ser eficaz, só tem de atribuir a responsabilidade a si próprio. Não gostei desta arbitragem, mas não sou pessoa de arranjar polémicas. Estou feliz pela maneira como os meus jogadores foram capazes de interpretar o plano e pela evolução gradual. Estou insatisfeito pela insatisfação que eles mostraram no fim por terem de voltar a contrariar um estado que persiste desde o início da I Liga."

A insatisfação: "Não estão a conseguir ganhar nos momentos em que merecem, mas essa insatisfação terá de ser resolvida e vai ser ultrapassada. Esta equipa vai voltar a ganhar, mas era importante que o triunfo surgisse o mais cedo possível, tendo em vista o futuro."

A classificação: "Quando entrei, o Boavista estava numa situação idêntica. Tenho notado uma evolução boa coletivamente, mas falta o resultado fundamental. Temos ainda um pior registo caseiro do que fora, embora sinta que vamos chegar ao nível que merecemos. Não estou nem mais nem menos preocupado do que no início. Estou mais seguro, porque conheço a realidade e é nela que vou trabalhar. Já tive situações mais difíceis que esta e ainda aqui estou. Os jogadores também têm de confiar neles próprios, não apenas eu".