"Pressão? É um combustível e tem de ser doseada"

"Pressão? É um combustível e tem de ser doseada"

Lito Vidigal, treinador do Boavista, diz que equipa tem de ser "inteligente, paciente e persistente" para vencer o Tondela

O Boavista terá de ser "muito inteligente, paciente e persistente" se quiser vencer o Tondela na sexta-feira, no Estádio do Bessa, no encontro que vai abrir a sétima jornada da I Liga.

O técnico axadrezado deu a receita hoje, na antevisão do jogo frente à última equipa que logrou derrotar o Boavista para o campeonato. Essa derrota, por 1-0, ocorreu em 19 de abril, em Tondela, e daí para cá o conjunto orientado por Lito Vidigal somou 10 partidas consecutivas sempre a pontuar.

"Vamos defrontar um adversário que joga com as linhas muito baixas, que é muito forte nas transições ofensivas e, portanto, o que queremos é ter uma equipa segura e saber quais são os momentos em que temos de estar juntos e a altura certa para terminar os nossos lances ofensivos", afirmou Lito Vidigal.

O treinador recusou a ideia de o Boavista poder estar pressionado por estar há tanto tempo sem perder, sustentando que "a pressão é sempre positiva".

"Pressão? O que tenho transmitido aos jogadores é que temos de trabalhar de forma séria para podermos competir para vencer. A pressão, para mim, é sempre positiva, é uma pressão de exigência. E se formos exigentes e quisermos fazer mais e sermos melhores, nunca vamos sentir essa pressão. A pressão é um combustível, tem de ser doseada de forma a manter-nos motivados para trabalhar", completou.

A verdade é que o Boavista tem 10 pontos em seis jornadas e ocupa o sexto lugar da classificação, números, estes, que são os melhores da equipa desde o seu regresso à I Liga, em 2013.

"Não pensamos muito nisso, o que fazemos é trabalhar todos os dias para prolongar este momento", disse Lito Vidigal, que noutras alturas destacou, por iniciativa própria, o facto de o desempenho 'axadrezado' já vir da época anterior.

O técnico referiu que o Boavista tem um sistema tático híbrido, disse ainda que "gostava de ter possibilidade de jogar dessa forma sem fazer substituições" e concluiu afirmando que "é preciso muito tempo para trabalhar isso e ter os jogadores certos".

Mais adiante, e a propósito dos golos sofridos (quatro) e marcados (seis) pelo Boavista nas seis jornadas que já foram disputadas, haveria de sustentar que o "mais importante é a equipa ser equilibrada tanto no processo ofensivo como no defensivo".

Para este reencontro com o Tondela, que vai ao Bessa no oitavo posto, com oito pontos, sete deles obtidos fora, Lito Vidigal não pode contar com o brasileiro Gustavo Sauer, que se encontra castigado, por ter sido expulso na ronda anterior.

"Este é mais um jogo que queremos vencer", afirmou, esperando que os adeptos ajudem a equipa com o seu apoio e com a sua "paciência".

O Boavista, sexto classificado, com 10 pontos, e o Tondela, oitavo, com oito, medem forças na sexta-feira, às 20h30, no Estádio do Bessa, no Porto, no jogo inaugural da sétima jornada da ​​​​​​​I Liga portuguesa de futebol.