Braga: a final, a característica que surpreende e a convicção sobre o onze do FC Porto

Braga: a final, a característica que surpreende e a convicção sobre o onze do FC Porto
Redação

Tópicos

Micael Sequeira, treinador adjunto de Rúben Amorim no Braga, fez a antevisão da final da Taça da Liga, frente ao FC Porto, agendada para as 19h45 de sábado.

Favoritismo: "Favoritismo está partilhado, trata-se de uma final, tudo pode acontecer nestes jogos. Temos de ter esperança que a nossa forma de jogar e a forma como preparámos o jogo nos leve à vitória. Essa palavra [favoritismo] é demasiado forte para nós".

Palhinha? "Todas as opções têm dado boas respostas. Temos de esperar pela hora do jogo, vão jogar os que se enquadram melhor para a final".

Sistema do FC Porto com um ou dois avançados: "Fez parte do plano de jogo. Preparámos todos os cenários possíveis, à semelhança do que já tínhamos feito [na preparação do jogo do campeonato]. Temos de ter isso em conta. O mais importante é manter a nossa filosofia, a nossa identidade. O plano estratégico nunca poderá influenciar a nossa forma de jogar".

Minhotos jogam em casa: "É um Braga a jogar em casa, temos noção que teremos de ser nós a puxar pelos adeptos, ir à procura da vitória desde o primeiro minuto, para sentir o tal efeito de jogarmos em casa. Vamos jogar para ganhar e vamos à procura de tirar partido de jogar em casa. Para isso temos de fazer coisas boas. É a última oportunidade para ganhar este troféu [em casa]. Acreditamos que vamos estar muito equilibrados".

Resultados positivos: "Trabalhar sobre vitórias é sempre diferente. O balneário tem-se mantido com muita ponderação. Os jogadores são muito controlados emocionalmente, tem sido uma das características que me tem surpreendido muito. E vai continuar assim, porque é um grupo de trabalho muito humilde. Todos querem conquistar um lugar na história do clube".

À espera que Danilo jogue? "Estamos à espera e acreditamos que os que estamos à espera que joguem são os que vão jogar. O Danilo é um excelente jogador como são os outros. O que queremos que vocês percebam é que a nossa principal preocupação somos nós próprios, a nossa forma de jogar, independentemente de ser o FC Porto ou outra equipa qualquer. Não vai influenciar a nossa forma de jogar".