Carlos Carvalhal após o Paços de Ferreira-Braga: "Acima de tudo, ingrato"

Carlos Carvalhal após o Paços de Ferreira-Braga: "Acima de tudo, ingrato"
Redação

Tópicos

Teinador do Braga, Carlos Carvalhal, definiu derrota com o Paços de Ferreira, nesta 14ª jornada, como "ingrata", queixou-se do relvado e focou forças na maratona que espera à equipa nas próximas semanas.

Derrotado por 2-0 este sábado na visita ao Paços Ferreira, o Braga não aproveitou os empates registados por Sporting, FC Porto e Benfica, as três equipas acima na tabela, e ainda viu o próprio Paços aproximar-se da quarta posição - agora com 25 pontos, dois a menos que os minhotos. Carvalhal negou qualquer frustração com a oportunidade falhada de aproximação aos líderes da I Liga.

Ingrato: "Parabéns ao Paço de Ferreira por ter vencido o jogo. Mas foi um jogo ingrato, é a palavra que me ocorre dizer. Ocorre-me dizer que no mínimo perdemos quatro oportunidades boas de golos, penso que na primeira parte o Paços Ferreira teve dificuldade de chegar à nossa baliza. Começámos a segunda parte com outra oportunidade que podíamos ter feito. Depois, o Paços aproveitou talvez a primeira situação e acabou por ficar a vencer por 1-0. A nossa equipa acusou o golo por um período de 10, 15 minutos, até as alturas das substituições para tentar outro caminho... foi nessa altura que sofremos outro golo. Penso que que terá sido talvez a segunda vez que o Paços lá foi, pelo menos com perigo através de uma falta, e nós continuamos até o fim a procurar o golo, sem conseguir.

Queixas ao relvado: "Aquilo que me resta dizer no fundo é que, principalmente pela forma como abordamos o jogo e entrámos na primeira parte, fizemos uma exibição muito segura e com qualidade para conseguir estar a vencer ao intervalo. Isso, neste campo, neste jogo, que é importante dizer que se jogou em dois terços do campo, porque o terço deste lado estava um autêntico gelo. Acho que deu para perceber, o jogo não conseguiu fluir por este lado. Isso penalizou a nossa equipa, as duas equipas obviamente. Mas isso não é desculpa é apenas uma constatação. Não dava mesmo para jogar.

Quem marcasse primeiro: "Batemos até o final, fomos bravos, a equipa lutou até o fim, foi até o último segundo à procura do golo, mas não conseguiu. Um jogo ingrato, acima de tudo ingrato porque quem marcasse primeiro com as características do campo como estava tirava uma vantagem muito grande, na minha opinião.

Frustração?: "Não sinto frustração nenhuma, eu sinto estar já preparado para o próximo embate. Temos que pensar no próximo embate. Esse é o caminho, não adianta estar a falar desse jogou, passou. Não podemos fazer absolutamente nada. Tentámos fazer durante o jogo, mudar o curso, tentámos coisas para reverter o jogo a nosso favor. Não conseguimos. Não podemos mais fazer nada, mas sim fazer sobre o futuro.

Maratona à vista: "Temos que pensar na Taça da Liga a partir de agora, que é a competição que temos a seguir. Temos várias, vamos entrar num ciclo vertiginoso. Aliás, já começou porque jogámos três dias antes, há 72 horas fizemos o jogo da Taça, vamos ter já na quarta-feira outro jogo e depois vai ser sempre assim até março nas diversas competições. Isso é bom, criamos responsabilidade de estar nas competições todas e temos que dar a senha a cada uma delas. Está é a nossa intenção, era vencer o jogo, creio que fizemos muito para vencer o jogo, fundamentalmente na primeira parte, mas nesse jogo já não podemos mais fazer nada, apenas nos próximos que vêm a seguir".