"Já davam o Tondela como morto, mas aquela vitória no Dragão..."

"Já davam o Tondela como morto, mas aquela vitória no Dragão..."
Conceição Diogo

Tópicos

Wagner, agora no Penafiel, recorda os bons resultados alcançados pelo Tondela frente ao FC Porto, em 2016. E espera que a história se repita este sábado.

A vitória arrancada no Dragão e o empate no João Cardoso sustentam o entusiasmo de Wagner, agora no Penafiel, quando recorda os surpreendentes resultados de 2016. "Já davam o Tondela como morto, mas a vitória no Dragão deu muita moral, foi a reviravolta, a partir daí tivemos confiança e alcançámos a permanência", afirmou, a O JOGO, o extremo direito que totalizou 40 jogos pelo Tondela e cinco golos entre 2015 e 2017.

Titular nos dois jogos aqui recordados, e porque foram dois resultados positivos, Wagner defende que todos os jogadores anseiam por estas partidas. "A motivação já está lá. Estes jogos são os mais fáceis de preparar pelo treinador", sustentou. "Trabalhámos a estratégia de jogo para surpreender: defender bem, e sair em transições rápidas para provocar sustos e ficarem em alerta."

Este sábado, no Estádio João Cardoso, tudo é possível, como prova o empate (0-0) em setembro de 2016, também numa semana de "Champions" e depois dos dragões empatarem na Dinamarca, diante do Copenhaga. "O Tondela pode aproveitar e surpreender em termos físicos - o desgaste das viagens e apenas dois dias para preparar o encontro de hoje- e guardar a bola com personalidade. Vai ser um jogo muito difícil para o FC Porto", garantiu. "São equipas diferentes, agora é mais de posse, mete os extremos por dentro. Com Petit era 4X4X2, havia muitos extremos, joguei muitas vezes a 10", concluiu o extremo do Penafiel.