Kiki Afonso elege Vizela como "melhor passo dado" na carreira: "União marcou-me"

Kiki Afonso elege Vizela como "melhor passo dado" na carreira: "União marcou-me"
Redação com Lusa

Tópicos

Lateral considera que, após o verão de 2019, regressou ao principal campeonato "muito mais preparado" a "nível psicológico"

O defesa Kiki Afonso considera que deixar o Belenenses, emblema da Liga Bwin na época 2019/20, para representar o Vizela, então no Campeonato de Portugal, foi o "melhor passo" que deu na carreira.

Depois do empréstimo no verão de 2019, mais tarde convertido em transferência definitiva, o lateral regressou ao principal campeonato na época 2021/22, "muito mais preparado" a "nível psicológico", após um processo em que o "crescimento como pessoa" acompanhou o crescimento futebolístico dos vizelenses, autores de duas subidas de divisão consecutivas.

"No início, foi um passo atrás. Mas, hoje, tenho a certeza de que o Vizela foi o melhor passo na minha carreira. É sempre um passo complicado de dar, mas, pela confiança que me deram e pela vontade de que eu viesse, foi a altura certa para pensar o que estava e não estava a conseguir para me afirmar na I Liga", disse à Lusa.

Autor de três assistências nas 29 partidas oficiais em 2021/22, Kiki Afonso realça que o Vizela "proporcionou todas as condições" para os jogadores alcançarem a permanência na época recém-concluída, com o 14.º lugar, e enaltece a "união do grupo", cultivada desde que rumou ao clube.

"Marcou-me a união de um grupo num clube considerado pequeno, mas que, cá dentro, sempre considerámos grande. (...) Viemos de lá de baixo e sempre olhámos com respeito para todos, mas preocupados connosco. Isso ajudou-nos a crescer como jogadores, como equipa, e a perceber vários pontos a melhorar ano a ano, para estarmos cada vez mais fortes", resume.

Forçado a enfrentar os protagonistas da ala direita adversária, o jogador de 27 anos recusa nomear algum jogador especialmente difícil de defrontar ao longo da última temporada, mas vinca que, na I Liga, os "pormenores" contam mais face aos escalões inferiores.

"Apanhamos jogadores rápidos, com muita qualidade, que nos criam muitas dificuldades (...). A I Liga exige mais atenção aos pormenores, já que o erro se paga caro", salienta.

Formado no Marinhas, no FC Porto, no Padroense e no Rio Ave, clube pelo qual se estreou na I Liga, em 11 de maio de 2013, ainda júnior, no triunfo sobre o Gil Vicente (2-1), Kiki Afonso frisa que a manutenção era o "objetivo claro" que o Vizela queria garantir "o mais cedo possível", algo que aconteceu na 33.ª ronda, com o empate caseiro frente ao Marítimo (1-1).

Grato para com "o clube, a cidade e uns adeptos que se fizeram sentir de norte a sul do país", o lateral admite que o grupo se ressentiu da "falta de maturidade" durante a primeira volta, em que esteve 10 jornadas sem vencer, antes de partir mais "tranquilo" para a segunda metade da prova.

Convencido de que o Vizela praticou um futebol "muito positivo" e merece continuar na I Liga, o defesa sugere que a equipa treinada por Álvaro Pacheco pode melhorar na época 2022/23, rumo a "um ano tranquilo", com o seu contributo, já que o seu vínculo aos minhotos se estende até 2023.