A confiança reina no São João de Ver: "Temos consciência que somos uma equipa difícil de bater"

A confiança reina no São João de Ver: "Temos consciência que somos uma equipa difícil de bater"
André Bastos

Equipa de Aranha é a única da zona Norte que ainda não perdeu

Aranha está há três épocas no clube e já festejou duas vezes. Ser a única equipa da zona norte sem derrotas dá motivação ao S. João Ver, que venceu um "dérbi saboroso" contra o Lourosa (2-0) e no sábado enfrenta o líder Oliveirense...

O S. João Ver é por esta altura, a única equipa da Zona Norte da Liga 3, que ainda não perdeu, ao cabo de cinco jogos realizados. Para Aranha, que é capitão da equipa de Nuno Pedro, este é um coletivo difícil de derrotar.

"Não é algo que se fale diariamente no clube, mas temos consciência que somos uma equipa difícil de bater, por sermos aguerridos, muito fortes e com muita união", relevou o médio, deixando um aviso: "Também temos a consciência que se perdermos a humildade que nos caracteriza, podemos sofrer essa primeira derrota".

Outro fator, que contribuiu para a subida ao terceiro lugar, obtido depois de "uma vitória saborosa no dérbi" contra o Lourosa (2-0), é a defesa, que é a segunda menos batida desta série (quatro golos consentidos), só superada pelo Felgueiras, que tem menos um.

"Além de termos um grande rigor defensivo e uma grande entreajuda entre todos os elementos, a nossa defesa começa nos colegas que estão na bancada. Às vezes são eles a dar aquela força extra para defender, não sofrer um golo ou atacarmos melhor", explicou André Aranha, que sempre que marcou esta época, a equipa de Santa Maria da Feira venceu (Canelas e Lourosa).

"São coincidências. Não olhamos para quem faz golo", desvalorizou, acrescentando que "o grupo não definiu nenhum objetivo a longo prazo". "No início era uma liga nova, somos das poucas equipas que não são profissionais e temos um dos orçamentos mais baixos. A meta que temos é já este sábado. Vamos ter um confronto contra um dos candidatos à subida, a Oliveirense e vamos tentar trazer os três pontos", contou, admitindo que gostaria de terminar a época a festejar.

"A cereja no topo de bolo, seria levar o S. João Ver à II Liga, aos patamares profissionais. Quando entrei, subimos da distrital para o CdP e no ano passado subimos à Liga 3.