Fim do Aves SAD deixa mais de 20 jogadores sem clube: "Tiraram-me tudo"

Fim do Aves SAD deixa mais de 20 jogadores sem clube: "Tiraram-me tudo"

O guarda-redes Romário Fraga e o central Diogo Oliveira contaram a O JOGO como receberam a notícia da desistência do Campeonato de Portugal

O Aves SAD "acabou esta manhã", conforme o revelou a O JOGO o treinador Paulo Gentil, que ia orientar os avenses no Campeonato de Portugal, depois de a sociedade ter sido despromovida dos campeonatos profissionais, por não ter cumprido os pressupostos financeiros. Wei Zhao, presidente da SAD, comunicou ao plantel que não há condições para competir no CdP, isto depois de o clube já ter faltado à primeira jornada, com o Berço, em Guimarães, sendo que a SAD deixou sem clube mais de 20 jogadores e alguns deles tinham vindo de propósito do Brasil, como é o caso de Romário Fraga.

O guarda-redes representou o Celoricense (AF Braga) nas últimas duas épocas, mas tinha voltado ao Brasil no início da pandemia. "Ninguém estava à espera passar por isto. Tenho as minhas poupanças, mas é muito complicado porque estava a contar com o salário. Tenho esposa e pais no Brasil...", desabafa Romário, que foi contratado por Paulo Gentil, treinador, e Francisco Santos, diretor-desportivo do Aves SAD. "Eu e outros estrangeiros estávamos a morar numa residencial em Leça da Palmeira. Vamos esperar que a poeira assente para ver como vai ficar esta situação. Se aparecer algum clube, fico por cá, senão tenho que voltar para casa", assume.

Diogo Oliveira, central que tinha trocado o Perafita pelo Aves SAD, havia saído do supermercado onde trabalhava e confessa: "Tiraram-me tudo". "O Aves SAD ofereceu-me cerca de 600 euros, era ela por ela com o que ganhava no supermercado. Fui à procura do sonho de viver do futebol e hoje disseram-nos que não tinham condições para o clube jogar no CdP. Todos ficaram surpreendidos. É como tirarem-me tudo. Do nada tive tudo e do tudo tenho nada. Os planteis por esta altura estão quase todos fechados e vai ser mais difícil arranjarmos um clube", reconhece.

Apesar das contrariedades, Diogo Oliveira tem a promessa de poder recuperar o emprego no supermercado. "Pelo menos nem tudo é mau", acrescenta.
O Aves SAD tinha pedido um Processo Especial de Revitalização cujo passivo provisório situava-se em mais de 17 milhões de euros. A FPF autorizou a inscrição da SAD no Campeonato de Portugal, enquanto que o clube inscreveu uma equipa na II Divisão da AF Porto.