Há um clube em tão boa forma que até o treinador está surpreendido

Há um clube em tão boa forma que até o treinador está surpreendido

Castro Daire não perde há onze jogos na Série B do Campeonato de Portugal

Subir ao Campeonato de Portugal e descer logo a seguir tem sido uma realidade para os clubes que vêm da AF Viseu. A última exceção foi o Lusitano de Vildemoinhos, que se conseguiu manter depois de ser promovido em 2012/13, mas o Castro Daire também está a dar passos seguros nesse sentido.

O emblema viseense venceu anteontem a Sanjoanense, por 2-1, e somou o 11.º encontro sem perder na Série B do Campeonato de Portugal. O plantel, orientado por Vasco Almeida, treina sempre às 19h30 e a esmagadora maioria dos jogadores dividem o futebol com outra profissão.

No Castro Daire, há operários da construção civil, funcionários de loja ou contabilistas e o técnico é professor de Educação Física em Tábua, que se situa a cerca de 90 quilómetros de Castro Daire. "Levanto-me às 6h30 para ir dar aulas, faço uma hora e pouco de viagem para cada lado e chego a casa, vindo do treino, pelas 22h00", conta. Vasco Almeida já tinha subido o clube à Divisão de Honra da AF Viseu, em 2010/11, mas reconhece que este momento de forma impressiona.


"É surpreendente, embora também tenham sido surpreendentes as cinco derrotas seguidas no início da época", atirou. Quem também está agradado é Gonçalo Matos, o líder da Comissão Administrativa que gere o clube há três anos, embora prefira que não o cataloguem como presidente. "Não temos uma Direção constituída. Temos de ser realistas, esta campanha está a superar as expectativas. Se no início me dissessem que íamos estar 11 jogos sem perder, eu respondia que isso seria quase impossível", assume o advogado de 38 anos, que, deixa, contudo, um aviso:

"Esta é uma realidade boa mas que não nos trouxe nada." O dia a dia do Castro Daire faz-se com a ajuda de patrocinadores, dos sócios e da Câmara Municipal e o futuro não passa por mais do que a estabilidade no CdP: "Não podemos pedir muito mais a uma terra com 4000 habitantes e a um clube que joga num sintético. Queremos ficar no CdP alguns anos."