"Essa é a realidade: sou um viciado, peço desculpa e aceito o castigo"

"Essa é a realidade: sou um viciado, peço desculpa e aceito o castigo"
Hugo Sousa

Brian Rice lidera o Hamilton, da I divisão, reconheceu recaída na doença das apostas, aguardando sentença da federação.

Brian Rice, treinador do Hamilton, clube da I divisão escocesa, autodenunciou-se junto da federação como viciado em apostas desportivas, atividade em que está proibido de participar pelos regulamentos. Fê-lo nas vésperas de conhecer a sentença (no próximo dia 30) pelo facto de ter, comprovadamente, quebrado essa regra entre 2015 e 2019. Embora não lhe seja reconhecida, entre as muitas que fez nesse período detetado, qualquer aposta a envolver os clubes que treinou (até ter chegado ao Hamilton foi sempre adjunto, à exceção de uma passagem pelo Catar), Brian Rice responde por ter quebrado as regras e estima-se que possa ser punido com uma suspensão entre três a 16 jogos, acrescida de uma multa até 100 mil libras (cerca de 117 mil euros).

Na confissão que fez à federação, Rice admite recaídas no vício, assume não estar curado e explica que "a verdade" é um dos passos que tem de cumprir no processo de reabilitação. Justifica dessa maneira a decisão de autodenunciar-se, ainda que conte com o apoio incondicional do Hamilton. "Foi uma das decisões mais difíceis que tive de tomar", confidencia o técnico de 56 anos, ex-médio de clubes como o Hibernian ou o Nottingham Forest.

"Nunca escondi a minha luta contra a doença que é o vício do jogo. Essa é a realidade: sou um viciado e, ainda que orgulhoso do meu processo de reabilitação em curso, sei que a honestidade é um fator-chave. Honestidade para comigo e para com aqueles que me apoiam, incluindo aqui não só a minha família mas também a minha família futebolística no Hamilton", prossegue. "Escrevi uma carta à federação escocesa a autodenunciar-me e fi-lo como forma de reconhecimento de que tinha havido uma recaída, mas também como prova de que estou empenhado na recuperação. Pedi desculpas ao clube e, hoje, peço desculpa aos jogadores, adeptos e colegas que desapontei por causa deste meu vício. Aceito que a minha quebra das regras seja punida", vincou ainda. "O motivo pelo qual falo abertamente disto é para acabar com o estigma associado a esta horrível doença, na esperança de que outras pessoas do futebol escocês que estejam a passar pelo mesmo sintam que podem procurar ajuda e que encontrem forças para isso nesta minha admissão de culpa", rematou Rice.

O presidente do Hamilton, Allan Maitland, apoiou publicamente o técnico. "Mostrou coragem e vamos encontrar maneira de o apoiar neste processo", disse. "De início, senti-me um pouco desapontado, porque quando falámos com o Brian [Rice] para vir para o clube foi-nos garantindo que o vício estava curado, ou pelo menos que estava em processo de reabilitação. Mas, depois desse impacto inicial, começamos a sentir empatia por ele e reconhecemos-lhe a coragem que teve para falar abertamente connosco sobre o assunto", sublinhou Maitland, citado pela BBC.