"Ronaldo tem mais responsabilidade do que há três anos"

"Ronaldo tem mais responsabilidade do que há três anos"

Massimiliano Allegri espera "muito" do internacional português e também de jogadores como Dybala

Oitocentos e um dia depois da última conferência de imprensa - 18 de maio de 2019 -, Massimiliano Allegri e Andrea Agnelli, presidente da Juventus, voltaram a sentar-se lado a lado para a apresentação oficial do regresso do técnico italiano que conquistou o campeonato por cinco vezes pela Juventus (entre 2014/15 e 2018/19) e uma vez ao serviço do Milan, em 2010/11.

Embora já esteja a treinar há algum tempo, Allegri só foi apresentado esta terça-feira e falou, claro, do regresso ao trabalho de Cristiano Ronaldo. "Voltou ontem e falámos sobre o assunto como fiz com os outros. Eu disse-lhe que este ano é um ano importante e estou feliz por tê-lo de volta. Ele tem mais responsabilidade do que há três anos, porque havia jogadores mais experientes. Espero muito dele a este nível, como o homem que ele é. Voltou com grande motivação e dinamismo", afirmou o técnico italiano que apontou outros jogadores que terão influência no rendimento da equipa.

"Será também um ano importante para o Dybala, que se tem apresentado muito bem física e mentalmente. Somou 25 golos, dá pontapés livres, é um valor acrescentado. Deixei-o em criança, encontrei-o como um homem. Estou a apostar muito nele, mas também vou exigir muito. Estou satisfeito com a equipa que tenho à minha disposição, especialmente no entusiasmo que encontrei e no desejo de alcançar os nossos objetivos".

Sobre os jogadores mais novos, Allegri referiu: "O Rabiot é um jogador que tem qualidades importantes. Na época passada, se não me engano, marcou três golos como médio: pelas suas qualidades não é suficiente, ele tem de marcar mais. McKennie tem o instinto de marcar, é frio na frente do golo e tem uma boa cabeçada. Muitos jogadores têm golos nas pernas: no final da época, precisamos de marcar 75 golos. É preciso encontrá-los entre os atacantes, entre os médios e os defesas. A equipa tem uma grande personalidade a esse respeito. Falámos com o presidente: a escolha que fiz para aceitar este desafio excitante é também de gratidão e afeto", sublinhou.

O treinador da Juventus aproveitou também o momento para "agradecer às equipas" que o procuraram. "Estive muito perto (do Real Madrid). Quero agradecer ao presidente (Florentino Pérez) pela oportunidade que me ofereceu, mas escolhi a Juventus, pelo que me deu. É uma boa equipa para treinar, porque pode crescer muito. Para mim é como se fosse a primeira vez", garantiu.