Jogo entre Argentina e Uruguai, marcado para Israel, pode não ser realizado

Jogo entre Argentina e Uruguai, marcado para Israel, pode não ser realizado

Clima de violência coloca em causa a realização do particular, agendado para o dia 18 deste mês de novembro.

O encontro particular que a Argentina vai realizar com o Uruguai, agendado para o dia 18 deste mês de novembro, está em dúvida. Segundo escreve a ESPN, a escalada de violência em Israel, que vai acolher o encontro, tendo Telavive como palco, coloca em causa a realização do encontro entre as duas formações da América do Sul.

Recorde-se que Marchesín e Saravia, dois jogadores do FC Porto, estão convocados pela Argentina, assim como Acunã, do Sporting, e Nehuén Pérez, do Famalicão. Já Coates foi chamado pelo Uruguai.

Antes do referido embate, a seleção argentina defronta o Brasil dia 15, na Arábia Saudita, e o Uruguai mede forças no mesmo com a Hungria, em Budapeste.

As forças armadas de Israel pediram esta terça-feira à população que fique em casa ou em ambientes fechados pelo menos até quarta, na sequência dos ataques que se seguiram à morte um comandante do grupo extremista palestiniano.

Israel suspendeu também as aulas no sul e centro do país depois de os alarmes de ataque aéreo terem soado na cidade de Telavive. Os militares esperam que os ataques e disparos por parte de Gaza em direção a Israel continuem "por algum tempo".

As forças de segurança em Gaza relataram, entretanto, várias explosões causadas por bombardeamentos israelitas em resposta aos foguetes lançados a partir do enclave.

Israel conduziu uma operação conjunta que resultou na morte de Baha Abu al-Ata, líder das Brigadas Al-Quds, braço militar da Jihad Islâmica. No ataque contra a casa, num bairro de Gaza, a mulher também foi morta e duas pessoas ficaram feridas.

O grupo extremista palestiniano advertiu que Israel cruzou "uma linha vermelha", mobilizou os militantes e declarou o estado de emergência.

Por seu lado, o exército israelita afirmou estar preparado para todos os cenários, exortou a população no sul e centro do país a não se deslocar para o trabalho e proibiu reuniões em zonas próximas da faixa de Gaza.

Além disso, as autoridades israelitas fecharam estradas ao trânsito em diferentes partes do país, principalmente nas proximidades de Gaza, e bloquearam o acesso ao enclave.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, e o ministro da Defesa, Naftali Bennet, que está no cargo desde domingo, aprovaram a operação no Gabinete de Segurança, que se vai reunir novamente durante o dia para avaliar a escalada da violência.

Esta manhã, num ataque aéreo semelhante, um dos filhos de um outro comandante da Jihad Islâmica morreu, em Damasco. O grupo extremista acusou Israel, que ainda não confirmou o ataque.

União Europeia, Estados Unidos, Japão, Austrália e Israel consideram a Jihad Islâmica um grupo terrorista, que defende a destruição do Estado israelita e a criação de um Estado islâmico na Palestina.