Kiel ficou em choque com vitória do FC Porto: "A derrota magoou-me, pessoalmente"

Kiel ficou em choque com vitória do FC Porto: "A derrota magoou-me, pessoalmente"
Rui Guimarães

Tópicos

Magnus Andersson avisa que os alemães vão jogar no Dragão "para demonstrar que não perdem duas vezes consecutivas". Treinador do Kiel recorda os momentos seguintes à derrota.

"A vitória na Alemanha já faz parte do passado e o próximo jogo será diferente do anterior", alertou Magnus Andersson na antevisão ao encontro desta quarta-feira, de novo frente ao Kiel, três dias depois do surpreendente triunfo do FC Porto em pleno Sparkassen-Arena.

"O Kiel vem com tudo para demonstrar que não perde duas vezes consecutivas contra nós", continuou o treinador sueco, mantendo o tom de aviso. Mas, ainda assim, é uma chamada de atenção sem deixar de acreditar que pode repetir o feito. "Só podemos lutar pela vitória, mais uma vez. Vamos sempre passo a passo, mas é incrível como as coisas têm acontecido rapidamente. Acredito que, a nível internacional, os adversários têm muito respeito por nós, tal como nós respeitamos todos os nossos adversários", explanou, assegurando: "É importante que não esqueçamos o quanto temos que trabalhar todos os dias, e não só nos jogos."

Magnus Andersson lembrou também que os portistas não têm nada a perder. "Não estamos sob pressão e podemos ir com tranquilidade para tentar fazer as coisas bem", referiu, numa análise em que deitou deitou um olhar ao êxito de domingo: "Foi um sentimento fantástico. Tentámos fazer um bom jogo e dar o nosso melhor, sabíamos que podíamos vencê-los. Estou muito orgulhoso pela forma como a equipa nunca desistiu. Tivemos alguma sorte, mas tomámos decisões muito boas também. Trouxemos os dois pontos e isso foi incrível. Vencemos uma das melhores equipas do mundo num dos pavilhões mais míticos."

Filip Jicha, técnico checo dos alemães, também se referiu a esse encontro. "A derrota magoou-me, pessoalmente. Fiz um longo monólogo no treino seguinte e os jogadores conversaram no balneário", contou. "Eles têm um lado enorme, o físico. Na defesa são fortes e lutaram como loucos", disse ainda, concluindo: "Agora têm os adeptos do lado deles e vai ser uma merda."