Sonho no Mundial mantém-se vivo: "Há um ano e meio isto era impensável"

Sonho no Mundial mantém-se vivo: "Há um ano e meio isto era impensável"
Rui Guimarães

Tópicos

Fábio Magalhães, o mais internacional dos portugueses em atividade e terceiro de sempre, falou em exclusivo a O JOGO, garantindo acreditar nas vitórias frente a Suíça e França.

Portugal volta a jogar esta sexta-feira, pelas 14h30, para o Mundial de andebol. Em pleno main round e com o objetivo de chegar os quartos de final, a Seleção Nacional vai defrontar um adversário que nem era previsto estar no Egito.

"A Suíça tem feito Mundial muito interessante, vieram sem contar [desistência dos Estados Unidos, devido a 17 casos de covid], mas desde o início fizeram excelentes jogos. Ganharam logo à Áustria e, com a Noruega, mas sobretudo com a França, fizeram muito boa figura. É uma equipa que depende muito do Andy Schmid e também joga um excelente 7x6, com o Schmid a decidir", assim descreveu Fábio Magalhães o adversário luso desta tarde. E Portugal, que frente à Noruega voltou a jogar muito bem em superioridade no ataque, voltará a esse sistema e teremos um duelo entre seleções a jogar 7x6? "Se o professor decidir utilizar... Com a Noruega correu bastante bem, mas depois é uma questão mental, porque se falhamos aos seis metros começamos a deixar de acreditar", respondeu o lateral esquerdo de 32 anos, jogador do FC Porto.

A derrota de quarta-feira, por um (28-29), frente à Noruega, em nada belisca os interesses da equipa. Nem a moral. Foi Magalhães quem o garantiu a O JOGO. "Dependemos só de nós. Jogámos contra uma das melhores equipas do mundo e podíamos ter ganho, foi por pouco que não o conseguimos e isso só tem de nos dar motivação para ganhar à Suíça e, com a França, temos conseguido ganhar nos últimos tempos, e é tentar voltar a fazê-lo e chegar aos quartos de final, o que será incrível", atirou o meia distância, para quem "não cometer os mesmos erros, melhorar a finalização aos seis metros e tentar não levar exclusões que podem ser evitadas", poderão ser as chaves do êxito.

No jogo frente à equipa medalhada de prata nos dois últimos dois mundiais - França'2017 e Alemanha e Dinamarca'2019 - Fábio Magalhães conseguiu uma exibição notável, facilmente comprovada pelos números, com quatro golos e seis assistências. "Sou o mesmo desde o início, com a Islândia estive bem a defender, no último jogo pude atacar, correu bem e espero manter o nível. Mas ainda nem tinha reparado nisso. Estou aqui para ajudar, o meu objetivo é ajudar a equipa a passar à próxima fase", garantiu o jogador natural de Braga, que é o atleta em atividade mais internacional de sempre: tem 145 jogos pela seleção A, com 299 golos, e um total de 246 internacionalizações e 662 golos. Nos jogos totais pelas Quinas, só tem dois atletas à frente, Eduardo Filipe, com 271 jogos e 1005 golos; e Carlos Resende (253 e 1349).

"Já ando aqui há muito tempo e há um ano e meio isto era impensável. Ao longo destes jogos, destas vitórias, vou acreditando cada vez mais, o Miguel Martins diz-nos muitas vezes isso [quer ser campeão do Mundo], mas, por agora, acho que temos mesmo condições de ganhar estes dois jogos, estamos muito confiantes", concluiu Fábio Magalhães.