O dia em que o campeão dos homens foi batido pelas mulheres

O dia em que o campeão dos homens foi batido pelas mulheres
Carlos Flórido

Tópicos

Regidos por valores e não por audiências, os Jogos Olímpicos promovem a igualdade de género melhor do que qualquer liga profissional.

Só em 1900, à segunda edição, os Jogos Olímpicos tiveram mulheres. E eram 22, entre 997 atletas. Até 1952 nunca foram mais de 10% dos participantes. Não vejo isto como um escândalo, mas mais como um sinal dos tempos. Os Jogos também começaram por ser para homens ricos, sendo os das classe baixas muito poucos e nem sempre bem tratados; foram para amadores e recusaram os profissionais durante décadas; e também demoraram a superar os estigmas racistas. Mas sempre, e o olimpismo merece este elogio, foram promovendo a igualdade, a todos os níveis, mais depressa do que a generalidade do mundo.

Em Tóquio estão mais de 5700 mulheres, representando 49% dos 11 723 atletas. É um recorde e mais um passo fundamental para a igualdade de género no desporto, que melhor do que ninguém os Jogos Olímpicos podem conseguir, pois ao contrário das ligas profissionais das principais modalidades - que procuram lucro e audiências, tendo dificuldades para promover um desporto feminino que movimenta menos dinheiro -, regem-se por valores fundamentais e humanos.

Na atual edição, além de mais uma aproximação do número de participantes entre os dois sexos, temos o incremento das estafetas mistas, que tiveram o seu momento alto nos últimos dois dias.

Muitos ainda as estranham, mas essas estafetas são o melhor exemplo de que até no desporto homens e mulheres podem e devem trabalhar em conjunto e com igualdade de oportunidades. Mais interessante ainda, os Estados Unidos, o país mais forte do olimpismo - e teoricamente nos dois sexos -, não ganharam nem triatlo, nem atletismo, nem natação. É que as estafetas foram competitivas, surpreendentes e até valeram o momento delicioso de vermos Caeleb Dressel, o maior dos campeões masculinos das piscinas, a perseguir sete mulheres... sem sucesso!