Exclusivo As mais bonitas vinganças do futebol profundo

As mais bonitas vinganças do futebol profundo
Luís Freitas Lobo

Tópicos

PLANETA DO FUTEBOL - Opinião de Luís Freitas Lobo

1 - Quando fez a primeira época de sénior no Loures, vindo dos sub-19 do Estoril que o descobrira em Linda-a-Velha, ninguém viu qualquer referência a ele. São muitas as vezes que vemos promessas de craques caídos do berço, mas em quase todas essas alucinações precoces existe o comum da lente da realidade aumentada das equipas grandes e seus derivados. O futebol de verdade, porém, está quase sempre escondido em tocas diferentes, quase anónimas e ignoradas por esse mundo de ilusões.

Rodrigo Martins é o miúdo da frase inicial. Ao vê-lo correr com a bola controlada, misturando pausa, finta e aceleração, terminadas com passes ou remates, guiando o Mafra à meia-final da Taça (goleando em Portimão) destapava-se, por fim, essa realidade do futebol português profundo. Com apenas 23 anos (tendo entretanto também já passado pelo Cova da Piedade e Covilhã) ainda está a tempo de chegar onde o seu futebol corresponde, mas muitos são os casos em que isso não acontece. Basta não existir no caminho um jogo destes transformado quase como um "toque de Midas" na carreira.