Decisão extrema que pode ser um sinal

Decisão extrema que pode ser um sinal
Manuel Queiroz

Tópicos

Há duas linhas no desporto: quem acha não se poder acabar as competições e os que apostam em estender a época até onde for preciso.

Não há campeões, não há descidas nem subidas. Foi isso que a FPF decidiu ontem para o futebol de formação, masculino e feminino, e do futsal. Um longo comunicado da Federação em que se fala da saúde de avós, pais e netos e da necessidade de dar espaço para os estudos, explica a decisão extrema.

NÃO SAIA DE CASA, LEIA O JOGO NO E-PAPER. CUIDE DE SI, CUIDE DE TODOS

As associações não estavam todas de acordo mas a decisão parece justificada, à luz do que sabemos hoje. Ainda estamos do lado de cá da pandemia e começava a ser muito difícil manter aquelas provas. Tenho dúvidas sobre os sub-19 (juniores) - a Liga Revelação não está incluída na decisão -, que hoje estão mais próximos do futebol profissional do que da formação e, assim, poderiam seguir o que vier a ser decidido em relação à I e II Liga (sob a alçada da Liga) e ao Campeonato de Portugal. Por exemplo: o Benfica ainda está interessado na Youth League (de momento ainda só suspensa) e fica com as suas equipas paradas.

No penúltimo ponto do comunicado, diz-se que "as restantes competições organizadas pela FPF permanecem suspensas" e o último reza assim: "A situação provocada pela pandemia de Covid-19 continuará a ser monitorizada pelo Grupo de Emergência criado pelo Presidente da FPF, que poderá rever - ampliando ou reduzindo - as medidas agora implementadas."

Há neste momento duas linhas no desporto: os que acham que não haverá condições para acabar as competições e aqueles que apostam em estender a época até onde for necessário. Mas começa a haver fadiga da espera. Os médicos já avisaram que não se pode voltar a competir sem três ou quatro semanas de preparação de futebol - neste momento, os jogadores não treinam futebol, como é óbvio. Os treinadores começam a ter dificuldade em manter os jogadores com um mínimo de vontade de trabalhar. Não é muito fácil ver jogos de futebol no intervalo de conferências de Imprensa da dra. Graça Freitas a anunciar o número de mortos.

Ou seja, esta decisão pode ser um sinal. É que, ao nível mais elevado, também vai ser muito, muito difícil acabar as competições, até porque, depois de dois meses de interregno, no mínimo, a competição não é bem a mesma. Começa-se a querer terminar uma prova que já acabou de facto. Só que aí é preciso tomar outras decisões: por exemplo, quem vai à Liga dos Campeões...